O 1º de abril brasileiro

Escrevo esse texto, reconheço, não para trazer uma reflexão sofisticada ou uma grande contribuição sobre o tema, mas sim para demarcar um posicionamento e fazer uma provocação, motivado pelo dia 1º de abril, que marca um grande acontecimento da história brasileira.

Para iniciar, uma charge do cartunista Carlos Latuff:

 

Na figura se pede silêncio, silêncio sobre a divulgação dos arquivos da ditadura militar, que poderiam esclarecer em grande medida o que aconteceu com opositores e opositoras do regime instaurado em 64. O que pergunto é: por que ainda existe esse silêncio? Por que os tais arquivos não foram divulgados?

A interpretação da história se constrói em geral pela sobreposição de visões sobre os fatos, sendo que por vezes determinadas visões consideradas hegemônicas acabam por se impor. Sobre o período da ditadura, diversas são as interpretações, tanto sobre os motivos que levaram ao golpe, quanto aos acontecimentos do período. Defensores da ditadura se referem à tomada militar do poder como uma maneira de assegurar a democracia. Opositores defendem que o golpe foi realizado com apoio do governo norte-americano, que queria consolidar seu domínio sobre a região. Mas essas são apenas duas das versões. Muitos arquivos e documentos sobre a ditadura ainda são mantidas sob sigilo pelos órgãos de informação, o que dificulta o esclarecimento de diversos fatos ocorridos entre 1964 e 1985. A posse dessas informações possibilitaria um melhor entendimento do passado brasileiro, e ajudaria a esclarecer o que aconteceu com as pessoas 147 ainda desaparecidas.

O julgamento e a punição de torturadores que atuaram nos órgãos de repressão da ditadura deve ser realizada, de modo a trazer à tona muitos dos acontecimentos que marcaram nossa história recente. A repressão à oposição ao regime militar se deu de maneira dura, e as informações recolhidas no período constituem grande acervo que faz parte, desde 2011, do patrimônio da humanidade, declarado pela UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) (fonte: http://www.brasil.gov.br/noticias/arquivos/2011/05/26/arquivos-da-ditadura-militar-sao-considerados-patrimonio-da-humanidade-pela-unesco).

Dizem que informação é poder. Pois bem, nos resta questionar a quem a não divulgação das informações sobre a ditadura. Certamente, àquelas pessoas envolvidas em crimes relatados nos tais arquivos. Sendo, assim, encerro esse simplório texto com a frase encontrada na internet, cuja autoria não descobri (quem souber, avise):

“Um país que não conhece seu passado não está preparado para entender seu presente e não tem condições de conduzir seu futuro.”

Um texto do petiano Dimitri Oliveira

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: